Domingo passado apareceu na frente de casa uma cachorra com uma corda no pescoço. Ela ficava o tempo todo debaixo do carro do vizinho da frente, e quando ele saia, procurava outro carro para se esconder. Arisca, não deixava a gente chegar muito perto, mas a gente deu comida e água no domingo e na segunda. Na segunda ela já não tinha mais a corda.

Terça a noite caiu o maior temporal, chuva forte e pesada, a gente ficou olhando da janela, triste de se ver, a cachorra procurava algum lugar para se esconder, mas não tinha nada, embaixo do carro corria água e não tinha um único lugar sequer para se abrigar, a gente chegou a abrir o portão da casa para ela entrar na garagem, mas ela não entrou. Me partiu o coração.

Na quarta tentamos fazer um abrigo para ela com caixas de papelão e saco de lixo, não deu certo, não tínhamos madeira suficiente, por sorte não choveu. Então começou a saga. Saí com meu irmão para comprar um lanche e numa rua encontramos dois pallets. Paramos, corremos, enfiamos no carro, que por sorte era o do meu pai que era grande. Na quinta a tarde começamos a desmontá-los e iniciamos o projeto de uma casinha. A cachorra é grande, só dois pallets não dariam. Conseguimos fazer o tablado do fundo e uma parede lateral.

Pallets – conseguimos 5!

Saímos a noite para procurar mais madeira. Por sorte no mesmo lugar dos outros dois pallets tinha mais um! Por azar ele não coube no nosso carro. Meu marido falou: “volta pra casa que eu levo a pé”! Ele veio carregando, umas 4 quadras, o pallet não é realmente muito leve. Mas já tínhamos mais um! Com ele ia dar para fazer mais uma parede pelo menos! Muito orgulho do marido Hulk!!!

Chão e duas paredes laterais

Na sexta de meio dia meu marido chega em casa na hora do almoço e diz: “vamos sair, consegui mais 2 pallets”! Mas com o nosso carro não ia dar, fomos pegar o carro do meu pai emprestado, pegamos os pallets, trouxemos pra casa, voltamos trocar os carros. Agora tínhamos 5!

Começamos a construção.  Primeiro desmonta tudo, tira pregos, vê o que dá pra aproveitar…  Não temos muita experiência com madeira e essas coisas, mas eu sempre quis aprender. E aí estava a oportunidade! Tínhamos dois martelos, pregos, um serrote e muita força de vontade. Depois das duas paredes laterais prontas começamos a pregar e montar a estrutura, colocamos a parede de trás.

Parede de trás pronta, Chrono e Naru precisaram avaliar para ver se estava tudo ok rs…

Depois disso fizemos a parte da frente, pensando em como gastar menos madeira por que achávamos que não ia dar para o telhado.  Não ficou a coisa mais linda nem mais perfeita do mundo, mas ela tem uma porta suficientemente grande para a cachorra entrar e uma parte fechada suficiente para não entrar água na casinha inteira quando chover.

Mais uma vez os bebezudos ajudaram a fiscalizar rs…

Agora que tínhamos toda a estrutura começamos a quebrar a cabeça pensando em como fazer o telhado… Foi quando a vizinha apareceu para ver o que tanto a gente martelava, e viu a casinha! Ela disse que na casa dela (o filho dela que é nosso vizinho) tinha telhas de eternit sobrando. E lá fui eu na casa dela buscar. Corta dali, corta daqui, não coube no carro, só para variar. No fim subimos o morro com o porta-malas aberto, adrenalina total, imagine se caísse tudo do carro!

Chegamos e medimos e pensamos, e chegamos a uma conclusão de como colocar a eternit para cobrir a casinha. Tinha ficado linda, uma abinha bem grande na frente e outra atrás. Foi quando começou a chover e finalmente poderíamos colocar a casinha para a cachorra não se molhar!

Telhado pronto!

Foi quando constatamos um pequeno probleminha técnico: fizemos a casinha no quintal de trás da minha casa, e para levar até a rua precisava passar por dentro da casa. O único detalhe: a casinha não passava!!
Por sorte o que estava muito grande era o telhado, ufa! Cortamos a aba da frente, continuou não passando, cortamos então a aba de trás. Ok! Passou!!! Uhu!!

Bem na hora da chuva, ainda em tempo de achar a cachorra debaixo do carro do vizinho. Fui lá e fui chamando ela com a ração. Coloquei a comida dentro da casinha. Ela veio vindo, veio vindo, e entrou!! Comeu tudo, ficou lá dentro até passar a chuva! Satisfação e felicidade total! Pelo menos agora ela tem um lugar para se proteger da chuva!

Mas a chuva passou, ela saiu e voltou para debaixo do carro………

E hoje foi assim o dia inteiro, eu dava comida, ela entrava comia e saia e voltava para debaixo de um carro.

Meus pais e minha sogra vieram ver nossa proeza. Tínhamos que mostrar nossos dotes em construção civil rs… Como a gente tinha colocado a casinha na calçada, eles acharam que a gente corria o risco de alguém roubar a casinha, afinal ela ficou tão linda! Mas não só por isso, estamos no Brasil, então é uma preocupação verdadeira que alguém leve a casinha embora… Meu pai disse para colocar próxima do muro, na grama, só que o terreno da grama é inclinado.

Então colocamos umas madeiras debaixo de um dos pés da casinha, e fui chamar ela para comer novamente. Achei que ela não iria entrar, mas entrou, comeu e aí que eu percebi: ela não cabia na casinha junto com os potes de comida e água!!! Que ignorância, fizemos uma casinha do tamanho exato que a água e a comida não cabiam junto!!! Fui lá e tirei os potinhos, e ela deitou!!! E a cada pouco que ia ver ela ainda estava lá!! Estava dormindo!!! Ai que fofa!!

Não sei se eu fiz certo ou errado, mas meu coração está sossegado e tranquilo, cumpri a minha parte, agora ela pelo menos tem um teto para se proteger do frio e da chuva e estou mega-hiper feliz de saber que consigo fazer trabalhos com madeira, e mega orgulhosa de meu marido e de mim mesma que conseguimos fazer isso juntos!!!

Sem palavras, olha a carinha dela:

Cachorra dentro de seu novo lar

Agora ela só precisa de um nome, e espero que não resolva atacar ninguém…..